Cabeçalho

Fiero apresenta pauta de investimentos para alavancar a economia do estado de Rondônia

Cabeçalho matéria
Cabeçalho matéria
Cabeçalho matéria
Cabeçalho matéria
Cabeçalho matéria
marcelo
Presidente da Fiero, Marcelo Thomé, durante encontro com o ministro Mangabeira Unger

Efetiva implantação da hidrovia do Madeira, com balizamento e dragagem permanente, a estruturação e ampliação do porto organizado de Porto Velho, a construção de um gasoduto de Urucu a Rondônia e a reabertura imediata da BR-319 (Porto Velho-Manaus), foram as pautas apresentadas pelo presidente da Federação das Indústrias do Estado de Rondônia – Fiero, Marcelo Thomé, na última sexta-feira (14 de agosto) durante reunião com ministro da Secretaria de Assuntos Estratégicos da Presidência da República, Roberto Mangabeira Unger.
As pautas apresentadas pela Fiero contemplam os pontos cruciais para os investimentos que devem ser implementados para reduzir os gargalos que travam o desenvolvimento regional.

O encontro aconteceu na sede da Federação do Comércio de Bens, Serviços e Turismo do Estado – Fecomércio e contou ainda com a participação do governador Confúcio Moura, secretários de estado e representantes da Federação da Agricultura e Pecuária de Rondônia (Faperon).

Além do representante da indústria, os dos setores ligados ao comércio e agropecuária também apresentaram propostas, demandas e agenda voltada ao crescimento econômico da região, que foram ouvidas pelo ministro,Marcelo Thomé lembrou que o ministro há anos estuda e conhece a realidade de Rondônia e busca ouvir as demandas dos setores produtivos e propor soluções. Neste sentido, a Fiero apresentou uma pauta de investimentos em ações transformadoras para o estado.

Ações que se, efetivamente implantadas, poderão amplificar e alavancar a economia de Rondônia, trazendo desenvolvimento, renda e prosperidade para a região.

Primeiro ponto citado pelo presidente da Fiero foi à efetiva implantação da hidrovia do Madeira, que ele a entende como uma obra transformadora, pois irá permitir a permanente competitividade do produto rondoniense. Desta forma a Fiero, assim como a demais federações, acredita que a hidrovia é uma obra da maior importância para a transformação da realidade econômica da região. “Porque em todas as discussões que promovemos, o principal gargalo é a questão da logística.

Então investimentos na área logística nos eixos estruturantes que nos conectam aos demais estados, assim como a América Latina, trarão uma nova perspectiva para Rondônia” argumentou Thomé.

O presidente da Federação das Indústrias citou que ainda a vinda do gás natural de Urucu permitirá a criação de um novo segmento industrial. Falou sobre o Porto Organizado de Porto Velho, que movimenta cinco milhões de toneladas/ano, e com investimentos de pouca monta, seria possível dobrar essa capacidade de carga.

Thomé citou a não recuperação da BR 319 que até hoje não foi executada. Argumentou que não se trata de uma nova rodovia, mas de uma restauração. Todos os entraves, principalmente nas questões de licenciamentos ambientais, não faz sentido porque a rodovia está pronta, obviamente está desgastada pelo tempo e falta de manutenção, mas entendemos ser uma obra tão importante, já que abrirá as portas de um mercado de dois milhões de habitantes, e poderíamos realizar transporte de gêneros alimentícios, por exemplo, em até oito ou dez horas e ao atingir este mercado consumidor. Isso dobraria de imediato mercado de Rondônia considerando a população existente no estado.

Quanto a BR-364, o presidente da Fiero lembrou que consta do plano de investimentos do Ministério dos Transportes, a duplicação e a criação das terceiras faixas dos trechos críticos da rodovia. Ele ressaltou a obra como essencial, não apenas para o transporte de cargas, mas que irá beneficiar a população como todo. “Afinal a 364 é o principal eixo estruturante e logístico e é fundamental que esta obra saia o mais rápido possível do papel. A indústria de Rondônia entende estes como os principais pontos a serem estudados e resolvidos e que terão efeito transformador na realidade econômica e desenvolvimento do estado de Rondônia”, afirmou.

Ministro Mangabeira

Depois das exposições, o ministro Mangabeira Unger disse compreender as demandas apresentadas pelo presidente da Fiero e que todas são importantes. Para Unger, o desenvolvimento de Rondônia está justamente numa produção agrícola de qualidade com maior produtividade, alinhada a industrialização dos alimentos a partir de investimentos em tecnologia e conhecimento, de forma a agregar mais valor.

Para o ministro, as reinvindicações apresentadas pelo presidente da Fiero e os demais participantes da reunião, mostrou o que ele já sabia: Rondônia tem muito a favor para se destacar no cenário nacional, por sua dimensão e localização geográfica. “Estas qualidades aliadas a um programa de industrialização bem planejado, com investimentos em tecnologia e conhecimento, levará o Estado a uma posição privilegiada na economia brasileira” afirmou.

Análise do governador

Para o governador Confúcio Moura “não podemos deixar a crise nos abater, temos de trabalhar firmes e envolvidos uns com os outros, fortalecer as parcerias do governo estadual com as Federações como a Fiero e Fecomércio, associações comerciais, cooperativas, no sentido de encontramos nosso caminho. Não podemos deixar o estado sucumbir por falta de competência. Este é o nosso objetivo. O ministro veio para ouvir a todos para depois formatar sua opinião e nos orientar nestas questões tão fundamentais para o desenvolvimento de Rondônia”, explicou Moura.

Assessoria de Comunicação do Sistema Fiero

Comente com o Facebook!
BMC
BMC
BMC

Related posts

Leave a Reply

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *