Cabeçalho

Agricultura e Meio Ambiente nunca divergiram em meu governo, diz Temer

Cabeçalho matéria
Cabeçalho matéria
Cabeçalho matéria
Cabeçalho matéria
Cabeçalho matéria

“Embora tenhamos duplicado as áreas de proteção do meio ambiente no país, não houve divergência com a área da agricultura.

O presidente Michel Temer recebe do presidente da Confederação Nacional da Indústria (CNI), Robson Andrade, o Grande Colar da Ordem do Mérito Industrial – Fabio Rodrigues Pozzebom/Agência Brasil

O presidente Michel Temer afirmou na noite de ontem (30) que os setores da agricultura e meio ambiente nunca divergiram em seu governo. “Embora tenhamos duplicado as áreas de proteção do meio ambiente no país, não houve divergência com a área da agricultura. A agricultura, o agronegócio continua a prosperar sem nenhuma divergência com o meio ambiente”, disse, ao discursar em evento na Confederação Nacional da Indústria (CNI).

O futuro ministro-chefe da Casa Civil, Onyx Lorenzoni, confirmou ontem (30) a fusão dos ministérios da Agricultura e do Meio Ambiente no governo do presidente eleito Jair Bolsonaro.

No evento da CNI, Temer foi condecorado com o Grande Colar da Ordem do Mérito Industrial. O presidente fez um balanço de algumas das ações de seu governo e defendeu a manutenção do teto dos gastos públicos. “No caso do Brasil, que é a nossa grande casa, não pode gastar mais do que arrecada. Fizemos algo extremamente responsável, não foi um ato normativo de natureza populista. Paulatinamente caindo o déficit público é possível fazer em 20 anos uma revisão ao teto dos gastos públicos”.

Brasil Mais Produtivo

Temer também assinou um decreto institucionalizando o programa Brasil Mais Produtivo. Criado em 2016, o programa, segundo o governo federal, garante o aumento da produtividade de pequenas e médias indústrias.

O ministro da Indústria, Comércio Exterior e Serviços, Marcos Jorge, também assinou o decreto. “O decreto que institucionaliza o Brasil Mais Produtivo é um importante passo para o fortalecimento do setor industrial. O salto de produtividade e o ganho de eficiência do chão de fábrica são condições necessárias para que o setor produtivo usufrua dos benefícios da indústria 4.0”.

Extinção do MDIC

O presidente da CNI, Robson de Andrade, conversou com a imprensa após o evento e evitou falar sobre eventual fim do Ministério da Indústria, Comércio Exterior e Serviços, mas lamentou o fim de um órgão representativo para o setor. A equipe do presidnete eleito Jair Bolsonaro anunciou que as pastas da Fazenda, do Planejamento e da Indústria e Comércio formarão o superministério da Economia.

“Acho que estar num ministério da Economia, discutiremos as políticas industriais com as áreas que discutem a tributação, o planejamento de uma maneira que às vezes não é de defender o crescimento da indústria”. Mais cedo, a confederação divulgou uma nota lamentando o fim do ministério.

FONTE:TUDORONDONIA.COM

Comente com o Facebook!
BMC
BMC
BMC

Related posts

Leave a Reply

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *