Cabeçalho

Apenas Rondônia e outros três Estados estão em situação regular quanto à folha de pessoal

Cabeçalho matéria
Cabeçalho matéria
Cabeçalho matéria
Cabeçalho matéria
Cabeçalho matéria

Sete Estados recorreram ao aumento do ICMS, mas nem assim alguns estão conseguindo equilibrar suas contas

criseO fato de, em média, os Estados e o Distrito Federal estarem gastando com o funcionalismo mais do que a Lei de Responsabilidade Fiscal (LRF) considera o limite prudencial para esse tipo de despesa demonstra que nem a gravidade da crise econômica por que passa o País não foi suficiente para forçar os governantes a adotar as providências que a situação exige. É notório que, com a quebra de receitas tributárias decorrente da redução da atividade econômica, a proporção das despesas com pessoal tende a aumentar. Nem assim, porém, os governantes procuram reduzir esses gastos por meio de medidas permitidas pela legislação, como corte de funcionários não estáveis ou terceirizados e suspensão de novas contratações.

O resultado não poderia ser diferente do que foi aferido pelo Estadão Dados. Nos 12 meses encerrados em agosto, os 26 Estados e o Distrito Federal gastaram, em média, 46,75% de sua receita líquida corrente com a folha de pagamento. Isso significa que estão, em média, acima do limite prudencial de 46,55% definido pela LRF, fato que não ocorria desde 2000 e que exige providências imediatas.

Seis governos estaduais ultrapassaram o limite máximo de 49% estabelecido pela LRF: Rio Grande do Norte (54,7%), Tocantins (51,47%), Mato Grosso (51,20%), Paraíba (51,15%), Distrito Federal (50,8%) e Pernambuco (50,33%). Outros cinco – Santa Catarina, Alagoas, Minas Gerais, Pará e Amazonas – já gastam com pessoal mais de 48% de sua receita. Sete, entre eles São Paulo, estão no nível prudencial.

Em situação regular, só Paraná, Mato Grosso do Sul, Maranhão e Rondônia.

Sete Estados recorreram ao aumento do ICMS, mas nem assim alguns estão conseguindo equilibrar suas contas. O governo de Minas Gerais, por exemplo, propôs um orçamento com déficit de R$ 8,921 bilhões, mesmo tendo aumentado impostos.

Esse quadro faz prever que a parcela que os Estados darão para o resultado das contas do setor público em geral será mínima ou, na pior das hipóteses, eles concorrerão para aumentar o déficit. Resta saber se, depois de decorrido o prazo de dois quadrimestres que os Estados têm para ajustar suas contas, o governo federal terá força para suspender as transferências voluntárias da União e proibir as operações de crédito para aqueles que continuarem gastando com o funcionalismo mais que o limite estabelecido pela LRF.

Fonte:rondoniadinamica

Comente com o Facebook!
BMC
BMC
BMC

Related posts

Leave a Reply

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *