Cabeçalho

Comissão de Educação e Cultura cobra da Seduc atraso de obras em escolas

Cabeçalho matéria
Cabeçalho matéria
Cabeçalho matéria
Cabeçalho matéria
Cabeçalho matéria

Empresário disse que mesmo sem pagamentos concluiu sete das oito obras contratadas pelo governo; Seduc alega falta de instrução de processos…

A Comissão de Educação e Cultura (CEC), presidida pelo deputado Anderson do Singeperon (Pros) ouviu na reunião desta quarta-feira (31) a secretária de Educação do Estado, Maria Angélica da Silva Ayres Henrique e o proprietário da empresa Açomax, Marcondes Benício Neves para falar sobre o andamento da obra da quadra poliesportiva da Escola Bandeirantes, em Nova Califórnia.

O deputado Anderson informou aos demais membros da Comissão, que esteve no local e constatou o atraso nas obras e que as condições de trabalho dos empregados da empresa são precárias.

Também presente a Comissão como convidado, o vereador de Porto Velho Marcio Pacele (PSB), disse que chamou o deputado Anderson e que visita constantemente a localidade e que constatou as condições precárias e pediu providências.

O deputado Dr. Neidson (PMN) também relatou a situação de duas escolas com obras paradas ou inacabadas em Guajará-Mirim.

O promotor de Justiça, Marcelo Lima de Oliveira, disse estar ciente das situações e que pensou em ajuizar, mas que a isso poderia atrasar ainda mais as obras.

A gestora da Seduc explicou que cada obra necessita da formalização de processo, para que possa ser pago. Disse reconhecer a dívida, mas que há lacuna e que foi mal instruído desde o início e que não comprometerá seu CPF pagando algo que está falho. “Três processos a Procuradoria sinalizou que podem ser pagos e assim será feito”, enfatizou Angélica.

O representante da Açomax, Marcondes Benício Neves, explicou que são oito obras, sendo que cinco estão concluídas, entregues e inauguradas, “com parecer e despacho da Procuradoria, mas que somente três a secretária disse que irá reconhecer três obras. Portanto, não recebi de nenhuma”, enfatizou apresentando documentação comprobatória e ressaltando que as outras três estão em fase de conclusão.

Marcondes disse que está há um ano e três meses sem receber e mesmo assim está concluindo as obras. Afirmou que dilapidou todo seu patrimônio para honrar compromissos. “Hoje estou andando a pé, pois tive de vender até meu carro para honrar todos os meus compromissos e manter minha empresa e trabalhadores com pagamentos em dia”, argumentou.

O assessor da Seduc, Marcos Antônio Shreder da Silva, explicou a situação de cada caso das obras que se estendem desde 2015 e que envolve um grande imbróglio, com pareceres da Procuradoria para que não pagasse.

O deputado Adelino Follador (DEM) pediu que a Seduc encaminhe toda a situação de cada contrato, se está apto a pagar e a previsão de pagamento, pois cada vez que demora quem perde é a comunidade.

O deputado Ribamar Araújo (PR) sugeriu que a CEC não deveria discutir este tipo de assunto, que deve ser resolvido de forma administrativa e na Justiça.

“Como fiscais do Executivo temos a responsabilidade de dar respostas a sociedade” refutou o deputado Anderson. Por isso reafirmou o pedido de todas as informações da Seduc e da empresa.
FOTOS

ALE/RO – DECOM – Geovani Berno
Foto: Ana Célia 

FONTE:ASSEMBLEIA LEGISLATIVA DE RONDONIA

Comente com o Facebook!
PASSOS
PASSOS

Related posts

Leave a Reply

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *