Cabeçalho

INCIDÊNCIA DO DIABETES NO BRASIL E NO MUNDO

Cabeçalho matéria
Cabeçalho matéria
Cabeçalho matéria
Cabeçalho matéria
Cabeçalho matéria

Embora haja alguns outros tipos de diabetes, a quantidade de afetados por eles é pouco significante.


Há cerca de 387 milhões de diabéticos no mundo, 12 milhões somente no Brasil. Enquanto 10% dessas pessoas possuem o tipo 1 da doença, 90% tem o 2. Embora haja alguns outros tipos de diabetes, a quantidade de afetados por eles é pouco significante.

 A maior parte dos diabéticos não sabe identificar o tipo da doença. Usar insulina não determina o tipo do diabetes, todos os diabéticos do tipo 1 usam insulina, que é reposta por aproximadamente 30% dos acometidos pelo tipo 2 da patologia. Assim, não é possível classificar o tipo da doença somente pelo fato de usar ou não insulina.

O diabetes tipo 1 é uma doença autoimune em que a defesa do organismo destrói as células-beta do pâncreas, que são as responsáveis pela produção de insulina. A partir daí o respectivo órgão interrompe a síntese de insulina, embora continue produzindo glucagon e os sucos pancreáticos (usados na digestão dos alimentos).

Os sintomas do diabetes 1 são bem pronunciados e fáceis de serem identificados. Eles acontecem em excesso e ao longo de um curto período de tempo: micção, sede, fome, cansaço, e perda de peso.

O tratamento consiste primordialmente em aplicações diárias de insulina.

O diabetes tipo 2 é uma doença silenciosa, na qual o pâncreas produz pouca insulina ou uma incapaz de exercer a função adequadamente, ou seja, deslocar a glicose presente na corrente sanguínea para o interior das células.

Caso a associação de prática de atividade física regular, dieta equilibrada e medicação oral for insuficiente para controlar o índice glicêmico do diabético do tipo 2, as injeções diárias de insulina são necessárias para diminuir os riscos atrelados às complicações consequentes de um diabetes mal controlado, tais como amputações de pernas e pés, perda da visão, infarto, derrame, falência renal, e disfunção erétil. Todas essas complicações podem ser evitadas por meio de um controle glicêmico eficaz.

**Paulista de Taubaté, Aldo José dos Santos é médico generalista graduado pela UNITAU. Colabora também no portal Leet Doc – https://www.leetdoc.com/br/

Fonte: www.leetdoc.com/br/

Comments

Comente com o Facebook!
BMC
BMC
BMC

Related posts

Leave a Reply

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *